terça-feira, 2 de outubro de 2007

Ausência

Praia de Odeceixe





Por muito tempo achei que a ausência é falta.
E lastimava, ignorante, a falta.
Hoje não a lastimo.
Não há falta na ausência. A ausência é um estar em mim.
E sinto-a, branca, tão pegada, aconchegada nos meus braços,
que rio e danço e invento exclamações alegres,
porque a ausência, essa ausência assimilada,
ninguém a rouba mais de mim.

Carlos Drummond de Andrade

8 comentários:

Isabel disse...

Ausência é um estar em mim.

Não podia ser mais verdade.
Sempre achei que quem sabe estar em si está com a melhor das companhias e nada tem em falta.
É bom ter alguém mas só é bom depois de nos ter-mos a nós próprios.

Tantos há que tem alguem na vida mas são ausentes de si próprios, essa sim é a pior das ausências.

Como sempre foi muito bom vir aqui.

Grande abraço.

Isabel

neva disse...

ausência por eu não poder estar perto de ti não é cunhada?

alguém disse...

ens de arranjar alguém que nao te faça sentir essa ausencia

bettips disse...

Como nos fala a "ausência" de certas pessoas, certos lugares! Bem sabes que gosto muito do teu olhar, das coisas que apreendes, fui ver atrás, claro. Por isso não queria que te fosses.
E melhor seria se algures na vida "nos tivéssemos encontrado".
"Despertas-me Memories". Agradeço-te a voz das pequenas coisas. Bjinhos

Natalie Afonseca disse...

Bela foto!!!
:))))))))))

Tudo de bom para ti!
Beijinhossss

Sei que existes disse...

Muito interessante!
Ainda não tinha visto a ausência assim...
Beijo grande

M. disse...

A ausência é presença.

Maria disse...

Porque não há alternativa, transformamos as ausências em presenças. Presentes. Sempre, e tanto....

Um abraço